-
RELATO DRAMÁTICO: Jornalista que sobreviveu à tragédia detalha drama após queda de avião da Chapecoense


PÁGINA INICIAL  |  BIOGRAFIA  |  GERAL  |  POLÍTICA  |  RELIGIÃO  |  POLICIAL  |  ARQUIVO DE NOTÍCIAS  |  CONTATO
 




12/12/2016

RELATO DRAMÁTICO: Jornalista que sobreviveu à tragédia detalha drama após queda de avião da Chapecoense


O jornalista Rafael Henzel, da rádio Oeste Capital de Chapecó, foi um dos seis sobreviventes do avião que levava a delegação da Chapecoense, convidados e imprensa para a Medellín, na Colômbia.

 

Em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, ele detalhou o que aconteceu no avião momentos antes da queda, que ocorreu próximo ao aeroporto de destino. De acordo com ele, as luzes foram desligadas de repente.


O jornalista Rafael Henzel, da rádio Oeste Capital de Chapecó, que fraturou sete costelas e ainda sofre com uma leve pneumonia, disse que só ficou sabendo direito o que havia acontecido no terceiro dia após o acidente com o avião da Chapecoense

 

"Toda vez que perguntávamos quanto tempo faltava, sempre respondiam os comissários: faltava dez minutos. De repente, simplesmente desligaram as luzes. Desligaram os motores. E aí todo mundo voltou pro seu assento e colocou o cinto de segurança. Na hora que isso aconteceu causou um certo temor. Mas ninguém imaginaria que a gente bateria naquele morro", afirmou.

 

Ele contou que a aflição aumentou ao perceber o nervosismo da comissária Ximena Suárez, uma das sobreviventes. O jornalista estava sentado na penúltima fileira no voo, do lado direito, e Supárez, assim como o técnico do voo Erwin Tumiri, estavam logo atrás dele.

 

"Reparei que houve uma aflição muito grande por parte da comissária que sobreviveu. Ela foi para o lugar dela, e quando ficou muito aflita, realmente a aflição tomou conta. Mas não lembro de ter havido gritaria, não lembro de ter... pânico no avião. Um silêncio estarrecedor. A gente não sabia o que estava acontecendo, até que veio o choque. Eu não lembro da pancada, porque ela foi de repente", disse.

 

Henzel afirmou que acordou e viu que estava preso entre duas árvores. O repórter Renan Agnolin e o cinegrafista Djalma Neto, que estavam ao seu lado na aeronave, estavam mortos.

 

"Primeiro achei que era um filme, que era um sonho. E que ia despertar logo desse sonho. Comecei a observar que vinha gente com algumas luzes, os socorristas. E aí eu comecei a gritar, dizendo que estava ali, naquele lugar. Eu estava preso em duas árvores, e aí com várias árvores ao redor. E aí foi o mais impactante ainda, porque as duas pessoas que estavam do meu lado estavam sem vida já. Dez centímetros para cá ou para lá o resultado poderia ser bem diferente", disse.

 

"O momento mais triste para mim foi ver os dois colegas meus do lado. Chamei pelos dois e tive que buscar forças. Apesar de estar com sete costelas quebradas. Não foi fácil, não foi nada fácil mesmo. Chovia, 12 graus de temperatura. Era muito íngreme a trilha, não tinha socorristas onde a gente tava. Os socorristas foram fortes. Eu imagino duas coisas. Primeiro que foi um milagre. Segundo de eu ter acordado no segundo em que os socorristas estavam passando", completou.

 

O jornalista, que fraturou sete costelas e ainda sofre com uma leve pneumonia, disse que só ficou sabendo direito o que havia acontecido no terceiro dia após o acidente.

 

"O que eu fico mais impressionado é que as pessoas morreram não por uma falha mecânica. As pessoas morreram por uma falta de discernimento. De um sujeito que de repente por causa de uma economia boba... Isso é revoltante", declarou ?" ESPN.

 

Portal Carlos Magno



VEJA TAMBÉM:


Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido


- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"


- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes


-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas






 


 


 
Política, bastidores da campanha, atuação jornalística: veja entrevista de Carlos Magno ao Ponto a Ponto da TV Itararé
 

 

.......................................................


www.carlosmagno.com.br

             Jornalista
 Apresentador
 Comentartista Político
 Cel. (83) 98720-7870
 e-mail:
contato@carlosmagno.com.br
 Facebook: www.facebook/jornalistacarlosmagno
 Twitter: @magnopb
 Instagran: @jornalistacarlosmagno