PÁGINA INICIAL  |  BIOGRAFIA  |  GERAL  |  POLÍTICA  |  RELIGIÃO |  POLICIAL  | ARQUIVO DE NOTÍCIAS  | CONTATO
 




13/07/2017

Em Campina Grande: Jovem grávida que teve olho e boca colados conta detalhes da tortura e diz que teve medo de morrer


A jovem de 21 anos que foi raptada e teve os olhos e boca colados com cola instantânea, na cidade de Campina Grande, conversou com a reportagem da TV Paraíba e contou detalhes sobre o sofrimento que passou. Passadas mais de 24 horas, ela ainda tem cola nos olhos.

Sem ter suspeitas de quem possa ter cometido as agressões e torturas ou sobre possível motivação, ela conta que renasceu. "Tive medo de morrer, de não puder mais ver meus pais, meus familiares", disse ela.



A jovem, que pediu para não ser identificada, passou por procedimentos médicos para conseguir descolar os olhos e a boca. Ela foi raptada na última terça-feira (11) e já passou por duas sessões de atendimento no Hospital de Trauma de Campina Grande, mas ainda está com cerca de 10% da cola nos cílios.

Um dos olhos dela está protegido por um tampão, mas ela não corre risco de ficar cega e o bebê está fora de perigo. A jovem está no 8º mês de gravidez.

Ela relata que havia saído de casa para pegar um medicamento em um posto de saúde, no bairro Belo Monte, onde ela mora. Estava chovendo e ela caminhava só quando percebeu um carro de cor prata se aproximando.

"Eles [três homens] pararam e perguntaram alguma coisa, mas eu não entendi. Eles me pegaram pelo cabelo, me jogaram dentro do carro e começaram a bater e mim, nas minhas costas. Eu fiquei abaixada protegendo minha barriga e chorando", disse a vítima.

Depois de se aproximarem de um terreno, a jovem conta que os homens a tiraram do carro e continuaram as agressões. "Eles me falaram um monte de coisas, mas eu não lembro. Na hora, um deles abriu a cola e colocou no meu olho. A cola foi secando e queimando. Queimou muito quando eles colocaram", conta a mulher.

Após colarem olhos e boca da vítima, os homens fugiram e a deixaram no local. Um deles ainda rasgou o vestido que ela usava. Sem conseguir enxergar, a jovem conta que saiu caminhando.

"Eu saí sem direção, batendo nas coisas, pedindo ajuda. Eu não sabia onde estava, nem sei quem me encontrou, quem me ajudou. Eu pensei que ia morrer. Eu engoli cola, a cola queimou minha garganta e eu desmaiei. Quando acordei, já estava na ambulância", disse a vítima.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil, mas até as 19h da quarta-feira, nenhum suspeito havia sido localizado. A Polícia Militar havia iniciado buscas ainda na terça-feira, mas não conseguiu localizar suspeitos, pois a mulher não sabia informar detalhes sobre características dos homens ou do carro usado - G1.

Portal Carlos Magno


VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas






 


 


 
Política, bastidores da campanha, atuação jornalística: veja entrevista de Carlos Magno ao Ponto a Ponto da TV Itararé
 

 

.......................................................


www.carlosmagno.com.br

             Jornalista
 Apresentador
 Comentartista Pol?ico
 Cel. (83) 98720-7870
 e-mail:
contato@carlosmagno.com.br
 Facebook: www.facebook/jornalistacarlosmagno
 Twitter: @magnopb
 Instagran: @jornalistacarlosmagno