PÁGINA INICIAL  |  BIOGRAFIA  |  GERAL  |  POLÍTICA  |  RELIGIÃO |  POLICIAL  | ARQUIVO DE NOTÍCIAS  | CONTATO
 




15/09/2017

Em Creche: Empresário estuprava os filhos, um menino de 10 e uma menina de 1 ano e meio, e transmitia o crime pela internet


Um empresário foi condenado a 57 anos de reclusão pelos crimes de pedofilia e por estuprar os dois filhos, um menino de dez anos e uma menina de um ano e meio, em Santos, no litoral de São Paulo. Ele vivia com a esposa e as crianças em uma creche e realizava transporte de materiais em pequenos carretos.

As investigações do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal apontaram que o homem estuprou os próprios filhos e gravou os atos, que foram compartilhados e transmitidos na internet por meio de programas de conversa. Durante diligências, imagens e vídeos foram apreendidos e os arquivos utilizados como provas.



Segundo a Justiça, em uma das conversas mantidas com terceiros na internet, ele expôs e gravou o filho mais velho com a webcam. O objetivo era que outros homens vissem as partes íntimas da criança em um chat, além de ter tirado e compartilhado fotos e produzido vídeos aproveitando-se da condição de pai.

O juiz federal Roberto Lemos dos Santos Filho, da 5ª Vara Federal de Santos, classificou como "repulsivas e abjetas" as imagens compartilhadas e produzidas pelo condenado. A pena foi aumentada principalmente depois que comprovado que as vítimas de estupro eram os próprios filhos do acusado, agora condenado.

A defesa ainda tentou alegar que o microempresário sofre de insanidade. Entretanto, laudos indicaram a inexistência de qualquer distúrbio, ou dependência de álcool ou drogas. "Assim, comprovada a imputabilidade do acusado, torna-se incabível a decretação de absolvição imprópria", estabeleceu o juiz.

As investigações foram iniciadas em 2015, quando ele foi preso preventivamente. "As ações foram perpetradas com o fim de satisfazer sua lascívia, e por certo acarretarão sérios comprometimentos e prejuízos à formação dos seus filhos", estabeleceu o juiz Roberto Lemos na sentença, proferida na última semana.

Embaré

O microempresário vivia no bairro Embaré e morava junto com a esposa e os filhos em uma creche mantida pela Paróquia Santo Antônio do Embaré, nas proximidades da orla. Ele era conhecido na região por realizar serviços de transporte de materiais, cujo nome da prestadora de serviços era "Carreto do Padre".

Segundo informações da Igreja, a família morava no local porque a mulher dele era responsável pela faxina do prédio. O condenado não tinha qualquer vínculo empregatício com a paróquia. As investigações não apontaram eventuais vítimas entre as outras crianças da creche ou que moravam no entorno - G1.

Portal Carlos Magno


VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas






 


 


 
Política, bastidores da campanha, atuação jornalística: veja entrevista de Carlos Magno ao Ponto a Ponto da TV Itararé
 

 

.......................................................


www.carlosmagno.com.br

             Jornalista
 Apresentador
 Comentartista Pol?ico
 Cel. (83) 98720-7870
 e-mail:
contato@carlosmagno.com.br
 Facebook: www.facebook/jornalistacarlosmagno
 Twitter: @magnopb
 Instagran: @jornalistacarlosmagno