PÁGINA INICIAL  |  BIOGRAFIA  |  GERAL  |  POLÍTICA  |  RELIGIÃO |  POLICIAL  | ARQUIVO DE NOTÍCIAS  | CONTATO
 




06/10/2017

Artigo: VAMOS PARAR DE CHAMAR MALVADEZA DE BARBÁRIE?, por Zé Nivaldo


O uso de termos equivocados no dia-a-dia só contribuem para dificultar o entendimento dos fatos.

Todo dia o Brasil e o mundo produzem dezenas de fatos chocantes para os quais não encontramos explicações aparentes e imediatas.

Diante de uma tragédia humanitária, de um atentado terrorista, das crueldades que emergem de guerras, de massacres executados por indivíduos, grupos políticos ou religiosos; de uma rebelião de presos; uma ação espetacular de bandidos; ou mesmo um trivial assalto seguido de morte no subúrbio,  a reação de quase todas as pessoas é a mesma.



"Uma barbaridade" é o que mais frequentemente se diz.

O adjetivo externa indignação  ou perplexidade mas em nada ajuda a explicar os acontecimentos. E muito menos a interpretar os motivos reais que se escondem por trás das aparências.

Ao invés de nos aproximar do entendimento, ajuda a nos remeter para um mundo de sombras, onde nada que nos atormenta parece fazer sentido.

Barbaridade ou barbárie é uma expressão milenar. tão duradoura quanto equivocada.

"Bárbaro", no mundo antigo, era aquele que não falava grego ou latim e cuja língua parecia aos ouvidos "cultos" algo como o balbuciar de uma criança. Ou seja, povos que viviam além das fronteiras do Império. Ou, simplesmente, estrangeiros.

Depois de séculos sendo submetidos ao domínio do Império Romano, com seus territórios invadidos, suas aldeias incendiadas, suas riquezas roubadas, suas populações exterminadas ou escravizadas, os Bárbaros deram o troco.

Rebelaram-se e, aproveitando a decadência do Império, devolveram na mesma moeda aos seus opressores.

Saquearam  a própria cidade de Roma seguidas vezes.

Quando os romanos massacravam os homens e estupravam as mulheres dos que viviam fora de suas fronteiras, impondo a paz dos cemitérios, isso era considerado como "civilização".

Quando os oprimidos fizeram o mesmo, isso passou a ser tratado como "barbárie".

Este artigo não pretende ser parte do chato policiamento dito "politicamente correto".

Sua motivação é que quando alguém classifica um ato como "barbaridade", além de expressar e reforçar um arraigado preconceito, nada de positivo está acrescentando.

Adjetivar desse modo só contribui para que todos os acontecimentos inconvenientes e incômodos permaneçam nessa condição nebulosa. Chocantes porém incompreendidos. Sem explicações, logo facilmente rotulados de absurdo e seus incontáveis sinônimos.

Partes do quebra-cabeças de um quotidiano que acaba parecendo como simplesmente um pesadelo.

Desse modo, o obscurantismo se sobrepõe ao entendimento.

E em plena época do mais intenso desenvolvimento tecnológico que a sociedade jamais conheceu; na era da informação globalizada; no tempo da interação democrática e sem fronteiras das redes sociais, o ser humano, usa muito mal a linguagem, o seu mais precioso instrumento de comunicação. Assim, permanece cada vez mais desconectado da sua própria realidade.

Banir termos equivocados das análises não resolve mas pode ser um primeiro passo.

José Nivaldo Júnior
Publicitário, Historiador e Membro da Academia Pernambucana de Letras

Portal Carlos Magno


VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas






 


 


 
Política, bastidores da campanha, atuação jornalística: veja entrevista de Carlos Magno ao Ponto a Ponto da TV Itararé
 

 

.......................................................


www.carlosmagno.com.br

             Jornalista
 Apresentador
 Comentartista Pol?ico
 Cel. (83) 98720-7870
 e-mail:
contato@carlosmagno.com.br
 Facebook: www.facebook/jornalistacarlosmagno
 Twitter: @magnopb
 Instagran: @jornalistacarlosmagno