PÁGINA INICIAL  |  BIOGRAFIA  |  GERAL  |  POLÍTICA  |  RELIGIÃO |  POLICIAL  | ARQUIVO DE NOTÍCIAS  | CONTATO
 




24/10/2017

Conta de energia vai ficar mis cara em novembro com mudanças nas bandeias tarifárias, informa Aneel


A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (24) importantes mudanças nas bandeiras tarifárias, que elevam custos quando a oferta de eletricidade é menor, e os consumidores deverão sentir impactos já em novembro, com uma elevação nas contas de luz.

Adotado desde 2015, o regime de bandeiras tarifárias gera cobranças adicionais para o consumidor quando elas saem do patamar verde para o amarelo ou para o vermelho, dividido em dois níveis.



Além de terem um caráter didático, ao incentivar a redução do consumo devido ao maior custo, as bandeiras geram uma arrecadação que é utilizada pelas distribuidoras para custear a compra de energia de termelétricas, mais cara que a das usinas hídricas.

Atualmente, as contas de luz estão com bandeira vermelha nível 2, o que gera um custo extra de 3,50 reais a cada 100 kilowatts-hora consumidos, mas a partir de novembro esse custo subirá mais de 40 por cento, para 5 reais.

O custo maior deve-se a um cenário de baixo nível nos reservatórios de hidrelétricas e intenso acionamento de térmicas que levou a agência entender que os atuais níveis das bandeiras não dão o melhor sinal para os consumidores em termos de incentivo à economia e nem arrecadavam o suficiente para custear as térmicas.

A bandeira vermelha 1 seguirá sem mudanças, com um adicional de 3 reais a cada 100 kwh, enquanto o patamar amarelo terá a cobrança extra reduzida para 1 real a cada 100 kwh, frente a 2 reais anteriormente.

A Aneel vai abrir uma audiência pública para discutir as mudanças, mas elas já valerão a partir de novembro, em caráter excepcional.

Além dos novos valores para o custo adicional gerado por cada patamar do mecanismo, a agência também alterou as regras que ditam qual bandeira será adotada em cada mês.

Hoje, a definição é feita com base na previsão de qual será custo da termelétrica mais cara acionada para atender à demanda.

Com as novas regras, será avaliado também o nível de produção das hidrelétricas - com mais chances de acionamento das bandeiras se houver o chamado déficit hídrico (conhecido pelo jargão GSF), quando as usinas hídricas geram abaixo de suas garantias, que é o montante de energia que elas podem vender no mercado - Reuters.

Portal Carlos Magno


VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas






 


 


 
Política, bastidores da campanha, atuação jornalística: veja entrevista de Carlos Magno ao Ponto a Ponto da TV Itararé
 

 

.......................................................


www.carlosmagno.com.br

             Jornalista
 Apresentador
 Comentartista Pol?ico
 Cel. (83) 98720-7870
 e-mail:
contato@carlosmagno.com.br
 Facebook: www.facebook/jornalistacarlosmagno
 Twitter: @magnopb
 Instagran: @jornalistacarlosmagno