PÁGINA INICIAL  |  BIOGRAFIA  |  GERAL  |  POLÍTICA  |  RELIGIÃO |  POLICIAL  | ARQUIVO DE NOTÍCIAS  | CONTATO
 




23/01/2018

Collor aproveita cenário de indefinições e anuncia que também é pré-candidato à Presidência da República


Ex-presidente da República e senador, Fernando Collor de Mello (PTC-AL) anunciou na última sexta-feira que pretende voltar ao cargo que ocupou entre 1990 e 1992, quando sofreu impeachment. Collor ofereceu seu nome ao PTC para disputar a sucessão de Michel Temer (PMDB) nas eleições de 2018.

"Tenho uma vantagem em relação a alguns candidatos porque já presidi o país. Meu partido, todos conhecem. Todos sabem o modo como eu penso e ajo para atingir os objetivos que a população deseja para a melhoria de sua qualidade de vida", afirmou o senador, durante uma entrevista à rádio Gazeta FM, de Arapiraca (AL), que pertence às organizações Arnon de Mello, empresa da sua família.



O partido de Collor que "todos conhecem" é o nanico Partido Trabalhista Cristão (PTC), que não tem deputados no Câmara e tem o alagoano como seu único senador. O PTC é o sucessor do finado Partido da Reconstrução Nacional (PRN), legenda pela qual Fernando Collor se elegeu presidente da República em 1989, quando derrotou Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno.

Ele pretende ocupar, como candidato, um "vácuo" que vê existir entre a "extrema esquerda", representada por Lula, e a "extrema direita", representada pelo deputado Jair Bolsonaro (que anunciou sua filiação ao PSL).

Impeachment

Em 1992, Pedro Collor, irmão do então presidente, apresentou, em entrevista exclusiva a VEJA, denúncias de corrupção envolvendo o governo e o ex-tesoureiro da campanha, Paulo César Farias. Pedro acusava PC Farias de utilizar empresas de fachada para ocultar o pagamento de despesas pessoais de Fernando Collor com dinheiro ilícito.

No começo de setembro do mesmo ano, foi apresentado um pedido de impeachment contra Collor e, em 2 de outubro, o presidente foi afastado temporariamente do cargo. Um dia antes de ser julgado pelo Senado, o hoje senador renunciou à Presidência para evitar perder seus direitos políticos, mas não obteve sucesso.

Ele cumpriu um período de oito anos de inelegibilidade e tentou ser candidato a prefeito de São Paulo em 2000, mas a Justiça Eleitoral barrou sua candidatura por entender que a punição ainda não estava cumprida. De volta a Alagoas, concorreu ao governo do estado em 2002 pelo PRTB, mas não foi eleito. Em 2006, Collor se elegeu senador.

Um dia depois de sua volta à política, em fevereiro de 2007, migrou para o PTB. Pelo partido de Roberto Jefferson, disputou o governo de Alagoas novamente em 2010 e se reelegeu senador em 2014. Em março de 2016, nova mudança de partido: deixou o PTB e se filiou ao PTC. Na época, disse que ?voltava para casa?, em referência ao passado da atual legenda como PRN - Veja.

Portal Carlos Magno


VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas






 


 


 
Política, bastidores da campanha, atuação jornalística: veja entrevista de Carlos Magno ao Ponto a Ponto da TV Itararé
 

 

.......................................................


www.carlosmagno.com.br

             Jornalista
 Apresentador
 Comentartista Pol?ico
 Cel. (83) 98720-7870
 e-mail:
contato@carlosmagno.com.br
 Facebook: www.facebook/jornalistacarlosmagno
 Twitter: @magnopb
 Instagran: @jornalistacarlosmagno