....
....

07/08/2018

Emenda persiste e servidores que recebem acima do mínimo mantêm movimentos na Câmara de Campina Grande


Continua a luta  na Câmara Municipal de Campina Grande (CMCG) dos servidores que recebem acima do mínimo, na tentativa de fazer com que a emenda que prejudica as verbas indenizatórias da categoria não seja promulgada.

Na manhã desta terça-feira, 07, houve novamente ocupação pacífica do auditório do plenário, mas nenhuma sinalização positiva foi apresentada. Portanto, as paralisações, com mobilizações na Casa de Félix Araújo, seguem nestas quarta, 08 e quinta-feira, 09, a partir das 9h.



Ainda na manhã desta quinta aconteceu uma reunião entre representantes do Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais do Agreste e da Borborema (Sintab), trabalhadores e a presidente da CMCG, Ivonete Ludgério. "A presidente nos informou que haverá uma reunião entre a bancada de governo e o prefeito Romero Rodrigues, com a presença dela, para discutir a situação. Será na próxima quinta-feira, às 14h. Ivonete nos disse ainda que o sindicato será chamado após este encontro, para comunicar o que ficou decidido e nós esperamos que a emenda não seja promulgada. Mas, enquanto isso, mantemos nosso movimento, já que a situação dos servidores permanece a mesma", ressaltou o presidente em exercício do Sintab, Giovanni Freire.

Outro abuso que se repete é o atraso no pagamento da maioria dos servidores da saúde. "Eles deveriam receber dentro do mês trabalhado, mas até agora, muitos estão sem receber o salário de julho e já enfrentam diversas dificuldades por conta de mais um atraso, que é recorrente nesta gestão. Este é outro problema que demanda ação do Sintab e nós faremos o que for necessário", lembrou Giovanni.

Relembre

A luta dos servidores que recebem acima do mínimo diz respeito ao projeto de lei do prefeito Romero Rodrigues, que concedeu o reajuste de 2% no salário destes servidores. No dia 26 de junho, a bancada do governo na Câmara aprovou uma emenda de autoria do vereador Alexandre do Sindicato, que, conforme já divulgado pelo Sintab, determina que o aumento não incide sobre as verbas indenizatórias, como quinquênio e horas extras. Desde então a categoria tem protestado contra o reajuste e contra a emenda e, além da luta política, se for necessário, o Sintab poderá entrar com ação judicial para barrar o projeto - Assessoria.

Portal Carlos Magno


VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas