....
....

18/10/2018

Durante visita de Bolsonaro, funcionários da Arquidiocese do Rio imitam armas com as mãos diante de imagem de Jesus


O candidato do PSL ao Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro, visitou na manhã desta quarta-feira (17) o cardeal dom Orani Tempesta, da Arquidiocese do Rio de Janeiro. O gesto é uma aproximação aos católicos, já que Bolsonaro conta com grande apoio dos evangélicos.

Ele fez um breve discurso ao lado de dom Orani e defendeu valores da família. "Assinamos um compromisso pela família em defesa da inocência da criança na sala de aula, em defesa da liberdades das religiões. Contra o aborto e contrario à legalização das drogas."

Bolsonaro disse que foi ao local mais para ouvir do que para falar e agradeceu a Deus "por tudo que aconteceu na sua vida". Segundo o candidato, o compromisso firmado em papel representa "o que está no coração de todos os brasileiros de bem".

Sem dar detalhes ao que se referia, afirmou que a população não quer "flertar com o desconhecido ou com aquilo que não deu certo no Brasil e no mundo". Ao final, ele se colocou à disposição para ouvir dom Orani. "Se porventura houver algo que eu deva fazer, que você tenha a liberdade para me avisar que aqui eu estarei para ouvi-lo com o coração aberto."

Bolsonaro foi à Arquidiocese acompanhado do advogado Sergio Bermudes, dono de um dos maiores escritórios do país, de seu filho Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), eleito senador, Gustavo Bebianno, presidente do PSL, e do empresário Paulo Marinho, amigo e apoiador da campanha.

Ao chegar, algumas funcionárias da Arquidiocese vestiram camisetas verde e amarelo, cores do candidato, e imitaram armas com as mãos, posando para foto em frente a uma estátua de Jesus Cristo, no saguão de entrada ? com informações da Folhapress.



Arquidiocese repreende funcionários por gesto em visita de Bolsonaro

A foto em que funcionários da Arquidiocese simulam armas de fogo durante a visita de Jair Bolsonaro (PSL) ao arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta, nesta quarta (17) causou tremendo mal-estar na cúpula da Igreja. Além do gesto, duas mulheres usam uma camiseta do candidato do PSL.

Por conta do episódio, as três foram repreendidas por superiores. A Arquidiocese também deverá solicitar que seus empregados não deixem seus postos de trabalho durante os encontros de dom Orani com políticos ? com informações de Veja.

Portal Carlos Magno