....
....

20/10/2018

Haddad diz que Bolsoanro desrespeitou a Igreja Católica, ao chamar D. Paulo Evaristo Arns de desocupado, vagabundo e picreta


O candidato à presidência da República Fernando Haddad (PT) foi o entrevistado da noite desta sexta-feira (19) da Rede Via de Televisão. Dentro do Jornal da Vida, ele foi sabatinado pelos jornalistas Denise Rotemburg e José Maria Trindade, falando sobre os temas palpitantes e as polêmicas deste segundo turno das eleições presidenciais.

Em determinado momento da entrevista, Haddad foi instado a falar sobre temas que são "muito caros" à Igreja Católica, segundo afirmou a jornalista Denise Rotemburg. Fernando Haddad respondeu afirmando que, como cristão, casado há 30 anos, tem respeito pela igreja e defende seus preceitos.



Porém, ele afirmou que o mesmo não pode ser dito do candidato Jair Bolsoanro (PSL), lembrando que seu adversário, certa vez, chamou o Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns, que foi Arcebispo de São Paulo e faleceu há menos de dois anos, de "desocupado, vagabundo e megapicareta".



Na época, o jornal Folha de S. Paulo divulgou a seguinte matéria, sobe este fato (a matéria está reproduzida abaixo, mas a reportagem original pode ser acessada, CLICANDO AQUI.

DIREITOS HUMANOS

Bolsonaro ataca D. Paulo em plenário
da Sucursal de Brasília

O deputado Jair Bolsonaro (PPB-RJ) chamou o cardeal arcebispo de São Paulo d. Paulo Evaristo Arns de "desocupado", "vagabundo" e "megapicareta" durante discurso no plenário da Câmara.

Procurado pela Folha, d. Paulo disse que não comentaria as declarações feitas em Brasília pelo deputado Jair Bolsonaro.

Carta

Bolsonaro usou esses adjetivos ao se referir à carta publicada na Folha, em sua edição de anteontem, assinada pelo cardeal e por outras 159 pessoas.

A carta, que critica a nomeação do general Ricardo Fayad para a subdiretoria de Saúde do Exército, afirma que o "presidente da República tem o dever de tomar medidas para impedir a admissão, em qualquer cargo oficial, de pessoas que tenham atuado em órgãos de repressão".

Candidatura

A candidatura de Bolsonaro à presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara é considerada na carta "infeliz coincidência" com a divulgação da nomeação de Fayad.

A resposta de Bolsonaro foi: "Existe outro megapicareta chamado d. Paulo Evaristo Arns, que teve a cara-de-pau de publicar carta aos leitores do jornal Folha de S. Paulo de ontem (quarta-feira), assinada por mais 155 desocupados e vagabundos como ele, criticando minha possível eleição para a presidência da Comissão de Direitos Humanos".

No discurso, o deputado volta a dizer que a comissão defende "vagabundos".

"Apela a Fernando Henrique Cardoso para que tome as providências legais a fim de que eu não assuma a presidência daquela importante comissão, que defende os direitos humanos de vagabundos como ele, d. Paulo Evaristo Arns, que parece que tem as chaves da porta do céu. Mas, na verdade, as chaves que ele tem na cintura são da porta do inferno".

O deputado Bolsonaro conclui dizendo que "esse D. Paulo Evaristo Arns deve se recolher a sua insignificância, ao seu trabalho demagogo".

A candidatura de Bolsonaro, capitão da reserva do Exército, foi combatida pelas entidades defensoras dos direitos humanos e pelos partidos de oposição.

Folha de S. Paulo