....
....

26/10/2018

Polícia Federal vai investigar ameaças a profissionais da Folha, após divulgação de denúncias sobre fake news contra Haddad


O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, determinou nesta quinta-feira (25) que a Polícia Federal investigue as ameaças contra uma jornalista e um diretor da Folha de S.Paulo.

Em ofício enviado ao diretor-geral da PF, Rogério Galloro, Jungmann pede que "sejam adotadas as providências necessárias à apuração dos fatos e à identificação de autoria, circunstâncias e motivações com eles envolvidas".

A Folha de S.Paulo entrou com uma representação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na terça-feira (23) solicitando à PF que instaure inquérito para apurar ameaças à repórter Patrícia Campos Mello e ao diretor-executivo do Datafolha, Mauro Paulino.



Os ataques começaram após a publicação da reportagem "Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp", no dia 18.

O jornal considera haver indícios de uma ação orquestrada com tentativa de constranger a liberdade de imprensa.

No despacho ao comando da PF, Jungmann diz que, confirmadas as informações relatadas pelo jornal, "pode-se estar diante da configuração de ilícitos penais, e de direta ofensa à inviolabilidade de correspondência, ao sigilo das comunicações, à prestação de informações e à liberdade de imprensa".

A repórter Patrícia Campos Mello recebeu centenas de mensagens nas redes sociais das quais participa e por email.

O WhatsApp de Patrícia foi hackeado. Na invasão, parte de suas mensagens mais recentes foi apagada e seu aparelho enviou mensagens pró-Bolsonaro para alguns dos contatos da agenda telefônica da profissional.

Ela recebeu duas ligações telefônicas de número desconhecido nas quais uma voz masculina a ameaçou.

Entre sexta-feira (19), dia seguinte à publicação, e esta terça (23), um dos números de WhatsApp mantidos pelo jornal recebeu mais de 220 mil mensagens de cerca de 50 mil contas do aplicativo.

Mauro Paulino foi alvo de ameaças no seu Messenger e em sua casa. Dois outros jornalistas da Folha de S.Paulo que colaboraram com a reportagem, Wálter Nunes e Joana Cunha, também foram alvo de um meme falso.

O caso suscitou manifestações de repúdio por entidades internacionais nesta terça-feira - com informações da Folhapress.

Portal Carlos Magno