....
....

03/12/2020

Para o governo, alta do PIB no 3º trimestre deste ano afasta a necessidade de auxílios governamentais em 2021


Para a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, o resultado do (Produto Interno Bruto) no 3º trimestre mostra que a atividade continuará crescendo no final do ano. O órgão afirma ainda que a economia continuará avançando no 1º semestre de 2021 “sem a necessidade de auxílios governamentais”.

 

“É importante frisar que a retomada da atividade e do emprego, que ocorreu nos últimos meses, compensará a redução dos auxílios. Outro fator positivo será a melhora das condições financeiras que continuarão impulsionando a atividade, principalmente com a retomada da agenda de reformas”, afirma, em nota.



 

O texto não menciona diretamente o auxílio emergencial pago pelo governo aos mais vulneráveis durante a pandemia –assim como o fez o presidente Jair Bolsonaro no início desta semana ao dizer que prorrogar o pagamento de benefícios é “o caminho para insucesso“.

 

O governo é pressionado para estender pelos primeiros meses de 2021 o auxílio emergencial. O custo fiscal é alto. Serão desembolsados R$ 321,8 bilhões até o final de 2020 com o programa.

 

Com o fim do benefício, cedido a 67 milhões de pessoas, o governo teme aumento da pobreza. O Ministério da Economia estuda a criação do Renda Cidadã (ou Renda Brasil) para substituí-lo em 2021. A ideia é que o programa seja 1 Bolsa Família anabolizado, com mais recursos e mais famílias atendidas.

 

A fonte de financiamento ainda não foi definida. Para cumprir a regra do teto de gastos, que impede aumento de despesas acima da inflação, será necessário cortar de algum local do Orçamento. No ano que vem não haverá o chamado Orçamento de guerra, que permitiu gastos maiores em 2020. A criação do programa terá que ser aprovada no Congresso.

 

O PIB , soma dos bens e serviços produzidos no país, subiu 7,7% no 3º trimestre, na comparação com os 3 meses imediatamente anteriores. Significa que o Brasil saiu da chamada “recessão técnica“. Os dados foram divulgados nesta 5ª feira (3.dez.2020) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

 

Foi a maior alta desde o início da série histórica, iniciada em 1996, mas ainda insuficiente para recuperar as perdas decorrentes da pandemia. Com o resultado, a economia do país se encontra no mesmo patamar de 2017, com uma perda acumulada de 5% de janeiro a setembro, em relação ao mesmo período de 2019.

 

Os números para o 3º trimestre vieram abaixo da mediana das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Poder360, que esperavam alta de 8,8%. Para o ano, os operadores e o governo federal estimam retração de 4,5% - Poder 360.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas