....
....

28/08/2021

Homem que matou e concretou o corpo da mulher na parede de casa é condenado a 17 anos de prisão


O homem acusado de matar e ocultar o corpo da mulher sob concreto na parede foi condenado na tarde da última sexta-feira (27/8) a 17 anos e sete meses de prisão. Sidney da Silva foi julgado pelo feminicídio qualificado e ocultação de cadáver da esposa Cleonice Correa de Jesus.

 

O caso ocorreu em abril do ano passado, e Sidney segue preso desde que o corpo da mulher foi encontrado, por policiais, concretado em uma das paredes da residência do casal, na Vila Barragem Santa Lúcia, Região Centro-Sul da capital.

 

Já o julgamento teve início na manhã de hoje no III Tribunal do Júri, no Fórum Lafayette, no Barro Preto, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Primeiro ocorreu a formação do conselho de sentença. O júri era composto por cinco homens e duas mulheres. Após a escolha dos jurados, foram ouvidas quatro testemunhas.



Foto: Divulgação/TJMG

 

Confissão e debates

 

Durante o interrogatório, Sidney confessou o crime, mas disse estar arrependido. Em depoimento diante da juíza Fabiana Gomes Ferreira, ele ressaltou que nunca houve agressão física entre o casal durante os 12 anos de relacionamento, apesar de discutirem constantemente.

 

Sidney contou que, no dia do crime, ele e a mulher estavam sob efeito de drogas, discutiram por diversos motivos fúteis e acabaram trocando empurrões. Logo depois, admitiu que matou a esposa com dois golpes de martelo na cabeça.

 

No outro dia pela manhã, ele comprou cimento, areia e brita. Apenas três dias depois, quando o material foi entregue pelo depósito de construção, é que, novamente sob efeito de drogas, ele escondeu o corpo da mulher na parede.

 

Após o intervalo para o almoço, o julgamento recomeçou com os debates entre acusação e defesa. O promotor de justiça, Henry Wagner, pediu que os jurados votassem pela condenação do réu por homicídio qualificado. Ele chamou atenção de que o crime foi praticado com "crueldade".

 

Caso

 

Sidney era acusado pelo Ministério Público de feminicídio qualificado por motivo fútil e por dificultar a defesa da vítima. Em abril do ano passado, a família de Cleonice Correa de Jesus procurou a Polícia Militar para registrar um boletim de ocorrência, após ela sumir por cinco dias.

 

Na noite do homicídio, o acusado teria aparecido na casa da mãe sujo de cimento. Alguns dias depois, também teria confessado à cunhada que havia matado Cleonice e enterrado o corpo dela na casa do casal, na Vila Barragem Santa Lúcia, Região Centro-Sul da capital.

 

Em 13 de abril, policiais foram até a residência do casal. Após vasculharem o espaço, descobriram o cadáver da vítima concretado em uma das paredes. O corpo foi resgatado pelos bombeiros em avançado estágio de decomposição – EM.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas