....
....

27/11/2021

Uso indiscriminado da ivermectina pode ser responsável por surto de sarna já registrado em dois estados


A Ivermectina é um antiparasitário que foi incluído no “Kit Covid” sem comprovação científica da sua eficácia contra o vírus. O uso indiscriminado desse medicamento pode ter sido o motivo do surto da escabiose, mais conhecida como sarna humana, que se alastra na Região Metropolitana do Recife (RMR) e teve registro de caso em um bebê de dois meses, no litoral de São Paulo.

 

Mesmo comprovadamente ineficaz, alguns profissionais continuam prescrevendo a substância. Enquanto outras pessoas tomavam por conta própria, seguindo recomendações de alguns planos de saúde e dos integrantes do "gabinete paralelo", que teria sido formado para aconselhar o presidente Jair Bolsonaro.



Foto: Ilustração/Pixabay

 

“Falar que a Ivermectina tem eficácia contra o vírus da COVID-19 em seres humanos é um argumento que vai contra a ciência. A ivermectina, assim como a cloroquina, possuem um mecanismo que em laboratório, nos tubos de ensaio, deveria inibir a proliferação do vírus, mas não importa que o mecanismo é plausível, não importa que funcione em tubos de ensaio, o que importa é que foi testado em humanos e comprovado sua ineficácia no combate à COVI-19. Argumentar por mecanismos e não por resultados é anticientífico” ressalta o urologista José Carlos Souto.

 

Assim como o médico, outros estudos e profissionais destacam a ineficácia do antiparasitário e que seu uso em excesso pode trazer consequências devastadoras. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), publicado no dia 15 de agosto deste ano, evidenciou que o abuso desse remédio pode ter desenvolvido a superresistência do Sacorptes scabiei, ácaro responsável pela doença.

 

Espalhados em Olinda, Jaboatão, São Lourenço, Camaragibe, Paulista e Recife, os pacientes se queixam de uma intensa coceira intensa que evolui para feridas e escoriações na pele. Esses ferimentos podem ser penetrados por bactérias e desencadear infecções secundárias, podendo ser leves, moderadas ou muito graves.

 

E não é somente no Nordeste que os casos estão tomando proporções preocupantes, no litoral de São Paulo também está tendo vários relatos da escabiose, dos quais um bebê de 2 meses chegou a ser internado devido à gravidade da contaminação.

 

A dermatologista Soraya Neves, cooperada da Unimed-BH, salienta que comprovado ou não a relação entre os surtos e o uso indiscriminado da ivermectina, a doença pode causar aumento da mortalidade em crianças – devido às infecções secundárias – além dos riscos à saúde da população em geral.

 

Além do aumento da dosagem e uso repetitivo da Ivermectina, condições climáticas e socioeconômicas também podem ter contribuído para a evolução do parasita. Por se tratar de uma condição extremamente contagiosa, é essencial ficar atento aos hábitos de higiene, as pessoas que moram no mesmo domicílio ou as pessoas com quem se convive.

 

“Não adianta nada tratar só o doente em si e não tratar a comunidade em que se vive, ou as pessoas com quem se convive. Também não adianta fazer o tratamento, tomar remédios, usar pomadas, e não mudar os hábitos de higiene”, explica a médica.

 

Para prevenir a escabiose, é necessário lavar as roupas, passá-las, tomar banho diariamente, trocar e higienizar as roupas de cama. Já para tratá-la, existem dois tipos de tratamento: o tópico, que consiste em administrar o medicamento diretamente sobre a lesão cutânea, e o tratamento via oral. Vale lembrar que um não exclui o outro, tudo vai depender do estado de avanço da infecção – EM.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas