....
....

16/06/2022

Senadora Nilda Gondim defende medidas efetivas de combate aos maus-tratos e à discriminação contra os idosos


“Nos últimos dois anos, em função da pandemia, os registros de violência contra idosos cresceram 59 por cento no Brasil. Nesse período, segundo dados da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, foram registradas 240 agressões por dia. Isto sem contar as agressões não registradas”, afirmou a senadora Nilda Gondim (MB-PB) ao defender a adoção de medidas efetivas de combate aos maus-tratos e à discriminação contra as pessoas idosas em todo o território brasileiro.

 

“Os idosos merecem todo o respeito pelo que representam para a sociedade: experiência, sabedoria, dedicação à família e trabalho. Amar os mais vividos é uma questão de reconhecimento pelos que já dedicaram uma grande parcela de suas vidas ao desenvolvimento e ao bem-estar da nossa população; um gesto de respeito para com nossa própria história de vida”, observou Nilda Gondim, acrescentando que, na grande maioria dos casos de violência contra os idosos, as vítimas são mulheres.



Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

 

Denúncia

 

A adoção de providências mais rígidas de combate à violência contra os idosos foi defendida pela senadora Nilda Gondim no Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa, celebrado desde 2006 na data de 15 de junho, por iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), com a finalidade de conscientizar os cidadãos sobre a responsabilidade de respeitar e garantir os direitos das pessoas idosas. O Estatuto determina que é dever de todos prevenir a ameaça ou violação aos direitos dos idosos.

 

Salientando que uma das formas de combater a violência contra os idosos é a denúncia, que pode ser feita por telefone através do Disque-100 ou do Disque-181, Nilda Gondim ressaltou a importância do Estatuto do Idoso, instituído no Brasil pela Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. A senadora paraibana disse que tal normativa significou uma importante conquista da sociedade brasileira ao consagrar, no ordenamento jurídico brasileiro, os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou maior de 60 anos.

 

“Existem várias formas de violência (física, psicológica, patrimonial...), e os idosos são vítimas constantes da negligência, do abandono, do abuso, da discriminação e de vários outros tipos de violação dos seus direitos. Para barrar esses tipos de violência, precisamos trabalhar incansavelmente, pelo bem da nossa sociedade”, afirmou a senadora.

 

Falta de políticas públicas

 

Em suas mídias sociais, a senadora Nilda Gondim citou dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para enfatizar que os idosos compõem aproximadamente 29% da população, e para registrar que essa parcela numerosa de brasileiros sofre com os maus-tratos estimulados especialmente pela ausência de políticas públicas eficientes e efetivas de proteção aos seus direitos e às suas vidas.

 

“É preciso mudar essa realidade marcada por tanto abandono. E um bom começo é a conscientização cada vez mais efetiva da sociedade, atrelada à adoção de medidas rígidas de combate às agressões e de punição aos agressores, para que as marcas registradas na face de cada um dos nossos idosos sejam refletidas tão somente pela saudável ação do tempo, e não mais pelo sofrimento proporcionado por atos de violência e abandono”, enfatizou – Assessoria.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas