....
....

19/01/2019

Violência contra jornalistas no Brasil aumentou 36% em 2018, segundo a Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas


A violência contra jornalistas aumentou 36% em 2018 segundo um relatório da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). De acordo com o levantamento, foram registrados 135 casos de agressões, atingindo 227 jornalistas.

 

O número de vítimas das agressões é superior aos atos violentos já que, em alguns desses episódios, mais de um profissional foi afetado. Em 2017, o mesmo relatório registrou 99 ocorrências.

 

O Relatório da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil foi divulgado nesta sexta-feira (18). Além do número de casos de violência ter crescido, o jornalista Ueliton Bayer Brizon foi assassinado em Rondônia. Em 2017, nenhuma morte de jornalista praticando a profissão foi registrada.



 

As agressões físicas foram a violência mais comum também em 2018, repetindo a tendência dos anos anteriores. Foram 33 casos registrados, contra 29 ocorrências em 2017.

 

Um crescimento significativo registrado pelo relatório foi no número de casos de agressões verbais, ameaças/intimidações e impedimentos ao exercício profissional.

 

Em 2018, as agressões verbais e os impedimentos ao exercício profissional aumentaram mais de 100%, em comparação com o ano anterior. Os casos de ameaças/intimidações cresceram cerca de 87%.

 

Eleições e Greve dos Caminhoneiros

 

O crescimento está relacionado, segundo a Fenaj, diretamente à eleição presidencial e aos fatos associados a ela. Alguns episódios que foram motivo causador para as agressões são: Caravana Lula, o julgamento do recurso do ex-presidente Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região e sua prisão posterior.

 

Das violências registradas, 27 casos foram diretamente relacionados à eleição e, 16 ao ex-presidente Lula.

 

"O recrudescimento da violência contra jornalistas em 2018 é um fator muito preocupante para a Federação dos Jornalistas e para os sindicatos. No nosso entendimento, ele revela causas múltiplas, mas houve dois fatos sociais muito marcantes. A eleição presidencial e a greve dos caminhoneiros", disse a presidenta da Fenaj, Maria José Braga.

 

"Grande parte dos agressores de jornalistas em 2018 foram pessoas comuns. Eram manifestantes ou eleitores que, ao expressarem seu apoio a um candidato ou descontentamento em relação a outro, partiu para agressão a jornalistas. O segundo grupo que mais agrediu os profissionais de imprensa foram os caminhoneiros", completou.

 

Os jornalistas foram vítimas também de políticos, policiais, juízes, empresários, dirigentes ou torcedores de times de futebol e populares.

 

A presidente da federação, Maria José Braga, disse ainda que o perfil dos agressores mudou ao longo dos anos. Segundo ela, os cidadãos comuns, como eleitores, foram os principais agressores da categoria.

 

"Em 2018, houve uma mudança no perfil do principal agressor. De 2013 a 2017, o principal agressor era o policial, integrantes das forças de segurança. Antes de 2013, o principal agressor era a categoria do político e pessoas ligadas a eles. Em 2018, em vez do policial, o cidadão comum passa a agredir o profissional de imprensa", disse Maria José – G1.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas