....
....

23/02/2019

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro diz ao Ministério Público que dava parte do salário que recebia a Queiroz


Agostinho Moraes da Silva, ex-funcionário da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, disse ao Ministério Público do Estado que depositava parte do salário que recebia na conta de Fabrício Queiroz, ex-assessor do hoje senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

 

Segundo reportagem do Estadão, o ex-assessor foi o 1º a depor no caso de movimentações suspeitas de lavagem de dinheiro entre funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro.



 

O salário de Agostinho no gabinete de Flávio era de aproximadamente R$ 6.000 por mês, e o depósito mensal, feito por transferência eletrônica para Queiroz, em torno de R$ 4.000. Agostinho ainda recebia R$ 8.500 líquidos do salário de subtenente da PMRJ (Polícia Militar do Rio de Janeiro).

 

O policial justificou o pagamento como 1 investimento no negócio de compra e venda de carros usados de Fabrício Queiroz. Também disse que o dinheiro pago voltava para ele ao final do mês em espécie, mas não apresentou qualquer comprovação ou registro.

 

Agostinho foi 1 dos citados no relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), que abriu 22 procedimentos investigativos na assembleia. Mesmo ciente sobre a investigação, Flávio o manteve como assessor – Estadão.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas