....
....

01/05/2019

Polícia procura aluno que matou coordenador de escola a tiros porque seria transferido para outro colégio


Pânico. Essa foi a palavra usada por um estudante para ilustrar a reação de todos na Escola Estadual Céu Azul, em Valparaíso de Goiás, no Entorno do DF, após o coordenador Júlio Cesar Barroso de Sousa, 41 anos, ser morto a tiros dentro do colégio. O garoto diz que, inicialmente, pensou que o barulho dos disparos seria de "bombinhas". Um aluno da instituição, de 17 anos, é suspeito de ter cometido o homicídio. Ele fugiu em seguida.

 

"Quando bateu o sinal, a gente ouviu quatro tiros. Todo mundo pensou que era bombinha, ficou calmo. Passou um cara correndo e do nada a professora entrou na sala e viu o coordenador todo ensanguentado no chão. Todo mundo ficou em pânico, não conseguia se controlar e correu. A professora novata saiu chorando", disse o estudante.



 

O crime foi cometido na tarde de terça-feira (30). Segundo a Polícia Civil, o suspeito, mais cedo, teve uma discussão com uma professora por assuntos disciplinares. Júlio César, então, interveio, e afirmou que iria transferir o adolescente, que o ameaçou.

 

"Este aluno chegou a ofender verbalmente a professora e o coordenador interviu na discussão e também começou uma discussão. Foi quando o coordenador disse que ia transferi-lo de escola. Nesse momento, o aluno virou para ele e disse: ‘o senhor pode até me transferir de escola, mas você vai pagar por isso. Mais tarde esse aluno retornou para escola, já armado", explica o delegado Rafael Abrão.

 

Ainda conforme a polícia, o coordenador foi alvejado com dois disparos, sendo um pelas costas, enquanto corria, e outro a curta distância.

 

“Ele invadiu a sala dos professores, onde a vítima estava, teve uma breve discussão entre eles, foi quando o menor sacou o revólver. O professor ainda tentou correr, ele efetuou um dos disparos nas costas, a vítima caiu e, em seguida, ele (menor) foi a curta distância e efetuou mais um disparo”, destacou.

 

A Secretaria de Estado da Educação de Goiás (Seduc) informo que, diante do ocorrido, as aulas em todas as escolas estaduais da cidade estão suspensas até sexta-feira (3).

 

"Nossa secretária determinou que manda para cá uma equipe multiprofissional para conversar com os alunos e com os educadores para que na segunda-feira [6] a gente possa retornar as aulas, mas depois de ter feito todo um trabalho e todo suporte que a secretaria possa dar a todos", explicou o superintendente executivo da Seduc, Manoel Barbosa dos Santos.

 

Um cartaz de luto foi colocado no portão da escola. De acordo com informações da TV Anhanguera, Júlio César era casado e deixa dois filhos pequenos de 4 e 6 anos.

 

Menor tem antecedente

 

O delegado já iniciou as buscas pelo menor, que tem, segundo ele, antecedente por ato infracional análogo a roubo. No entanto, não haveria registro de confusões na escola, antes desta discussão com a professora.

 

“Segundo relatos, este aluno não era um aluno problemático. Era um aluno mais quieto, mais reservado e nunca se envolveu em nenhum tipo de confusão na escola”, afirmou o delegado.

 

Sobre como o aluno entrou armado na escola, Abrão diz que o fato dele estar uniformizado foi o que facilitou.

 

“Nós acreditamos que ele teria livre acesso à escola, inclusive ele estava com o uniforme da escola, então por isso ele entrou. É um aluno que já estuda há bastante tempo na escola, então ele tinha livre acesso ao local”, relatou.

 

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) disse que membros das forças policiais estão a procura do adolescente, conforme nota abaixo:

 

"A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informa que todas as forças policiais já estão atuando para apreender o adolescente suspeito da morte do professor Júlio César Barroso de Sousa, em Valparaíso de Goiás. As investigações estão sob a responsabilidade da Polícia Civil.

 

Em relação à prevenção de ocorrências criminais no âmbito escolar, a SSP ressalta que diversas ações de conscientização são realizadas. Uma delas é o Programa Estadual de Resistência às Drogas (Proerd), que além da prevenção primária às drogas, promove ações de cidadania e redução da violência. Por meio desta iniciativa, os policiais também detectam crianças que são vítimas de maus tratos, bullying, violência sexual, bem como pais que são usuários e traficantes de drogas" – G1.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas