....
....

04/09/2019

Coluna do Padre Luciano Guedes: “As Torres da Matriz”


O levantamento das torres da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição prolongou-se até o ano de 1896, quando o Monsenhor Sales com a ajuda do povo campinense concluiu a execução dos trabalhos.

 

Todo este esforço foi feito graças ao empenho do pároco e o auxílio do Frei Venâncio Maria de Ferrara, exímio pregador de santas missões populares, vindo à Campina Grande para esta finalidade.

 

Observa-se neste planejamento a intenção de deixar a torre direita agulhada, como que a indicar o infinito, a verticalidade, a glória divina. A torre esquerda, onde foi posto o relógio, sem agulha, muitas vezes confundida no imaginário como sendo uma construção inacabada.



 

Conforme documentação oficial e registro dos memorialistas locais, a torre esquerda ao poente assim foi deixada para servir de lugar próprio ao hasteamento das bandeiras por ocasião das grandes comemorações religiosas do ano.

 

Na festa em honra à padroeira, via-se a distância, o tremular da bandeira da Imaculada Conceição, indicando o tempo sagrado a ser vivido pelos moradores da cidade e visitantes. Caindo no desuso este costume, outras narrativas orais explicaram a diferença entre as duas torres, supondo a falta de recursos financeiros para a sua conclusão.

 

Ao erguer as torres da Matriz na urbe que se expandia e tornava-se um centro urbano movimentado, seja pela feira semanal, pelo comércio pujante e pela circulação diária de pessoas, provenientes dos diversos municípios circunvizinhos, estava aí a percepção do vigário Sales de que a imagem visível da Igreja-templo deveria abarcar aquilo que ela significa em sua constituição e natureza: uma realidade divina e humana, um povo que peregrino caminha na história rumo à pátria do Céu.

 

A torre direita recordando Deus, sua onipotência e eternidade. A torre esquerda, com relógio e bandeira, relacionada ao tempo cronológico, para indicar as horas do trabalho e da atividade; as horas sagradas e reservadas à celebração, descanso e festa. Podemos ver nesta representação física e simbólica da Matriz uma bonita eclesiologia que nos trouxe através dos séculos ao testemunho agora dos seus 250 anos!

 

Padre Luciano Guedes é Pároco da Catedral de Nossa Senhora da Conceição e Vigário Geral da Diocese de Campina Grande

 

Coluna publicada originalmente no site Paraibaonline.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas