....
....

11/11/2019

Polícia prende pedreiro de 31 anos suspeito de matar namorada de 16: “ele se sentia feio e velho para ela”, disse delegada


Um homem suspeito de matar a própria namorada, de 16 anos, foi preso no domingo (10). Glícia Kelly de Jesus Almeida morreu à tarde, após levar um tiro numa escadaria no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio.

 

O pedreiro Jefferson Silva de Carvalho, de 31 anos, chegou preso à Delegacia de Homicídios (DH) no fim da noite.

 

Testemunhas disseram que Jefferson deu um tiro na namorada e fugiu. Os vizinhos, que assistiram ao crime, levaram o corpo da jovem até a entrada da favela, onde havia um carro da Polícia Militar.



 

Para a família de Glícia, Jefferson matou a namorada por ciúmes. Um parente dela contou à polícia que o homem era violento, e as agressões eram comuns. Na noite de sábado (9), o casal foi a um baile funk no morro. Na volta, a jovem foi agredida. Os dois ficaram brigados até a hora do crime.

 

Uma testemunha disse em depoimento que o pedreiro, conhecido como Jefinho, tem envolvimento com a quadrilha que controla os pontos de venda de drogas no Morro dos Macacos. As informações foram confirmadas pela delegada Cristiane Carvalho, que fez a prisão do suspeito.

 

“Foi apurado, durante o flagrante, que ele realmente faz parte do tráfico de drogas do Morro dos Macacos. Ele confessou em sede policial que era muito ciumento e se sentia inferior à vítima, por se sentir feio e velho para a vítima. Ele vinha com vários episódios de violência doméstica. Já havia agredido a vítima por várias vezes, mas ela não noticiou na delegacia", contou Cristiane Carvalho.

 

Em seu depoimento, Jefferson admitiu que agia como "mula", levando e reabastecendo pontos de vendas de drogas da favela. Ele contou que se relacionava com Glícia a cerca de oito meses e que em algumas discussões "deu tapas leves no pescoço" da namorada.

 

O pedreiro conta que domingo às 2h, Glícia foi para o baile funk. Ele combinou que ia dormir e encontrou a vítima no evento por volta das 4h. Os dois foram embora juntos, mas cada um seguiu para sua casa. Marcaram de se reencontrar às 14h30 na localidade conhecida como Escada do Vinte, onde ficaram bebendo vodka com energético.

 

 

À delegada ele disse que o disparo foi acidental, "de brincadeira". Segundo ele, o casal não estava brigando.

 

“Ele diz ele que pegou a arma de fogo de um traficante da região e, brincando, acertou um tiro na testa da vítima. Já apuramos que essa é uma história mentirosa, que ele realmente deu o tiro com intenção de matar, na testa. E depois, em vez de socorrer a vítima, ele fugiu do morro”, afirmou a delegada.

 

No depoimento, Jefferson diz que o traficante o mandou sair da favela. Ele então buscou abrigo na casa de uma tia fora do morro. Essa tia o teria a se entregar na 20ª DP (Vila Isabel).

 

Jefferson tem passagem pela polícia por furto. Ele vai responder por feminicídio e, se for condenado, pode pegar até 30 anos de prisão – G1.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas