....
....

12/05/2020

Colapso: Falta de vaga em UTIs provoca a morte de pacientes com suspeita de Covid-19 na grande São Paulo


Pacientes com suspeita de Covid-19, dos municípios de Embu das Artes e Embu-Guaçu, na Grande São Paulo, morrem à espera de transferência para UTI por causa da falta de leitos.

 

O drama revela dois lados. De um, estão os médicos de cidades que não têm UTI para os pacientes. Do outro, hospitais que possuem os leitos de terapia intensiva. E no meio de tudo isso, o Sistema Cross, que regula a transferência dos pacientes.

 

Francisco Lopes, filho de Filomeno Lopes, 70 anos, disse que o pai foi internado no Hospital de Campanha em Embu das Artes em estado extremamente grave. Ele teve quatro paradas cardíacas até conseguir vaga na UTI do Hospital das Clínicas, mas voltou a ter uma parada cardíaca e a transferência foi cancelada. Ele morreu após ser reanimado outras quatro vezes.



 

Segundo o levantamento do G1, Embu das Artes está entre os 12 municípios sem UTI. A secretária adjunta de Saúde da cidade, Maria Zenilda Serrano, disse que não tem o que fazer. "Me sinto inútil por ver as pessoas necessitando de vaga e a gente não ter muito o que fazer."

 

Em Embu-Guaçu, Marco Antonio, marido de Marcia Cristina, disse que precisou aguardar vaga para internar a mulher na UTI, mas ela morreu. "Depois que ela se foi vou aguardar o que mais? Só queria que eles me dessem um tempo para ver ela, mas levaram ela direto para o cemitério. Queria ver ela. É mais um que se vai, é um atrás do outro."

 

André Oliveira, filho de José Maurício, 69 anos, disse que o pai chegou a ser transferido para o Hospital de Itapecerica da Serra, mas não tinha vaga.

 

Maria Dalva dos Santos, secretária de Saúde de Embu-Guaçu, disse qual é o cenário hospitalar. "Nós temos respiradores, mas não temos UTI. Quem precisa de UTI a gente encaminha para hospitais de referência.

 

A Secretaria de Saúde informou que não houve erro em nenhum dos lados nesta história. Que a recusa da transferência foi por causa da gravidade do estado de saúde dos pacientes. Mas que os hospitais que pediram as transferências, também não erraram, porque os pacientes precisavam de um cuidado maior.

 

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde disse que a paciente Márcia Cristina dos Santos Silva deu entrada no serviço municipal em estado grave, e que não havia condições de transferência porque o quadro clínico precisava estar estável e livre de infecções.

 

Sobre a demora na busca por um leito para o paciente José Maurício de Oliveira, a secretaria afirmou que ele estava em estado grave e que morreu oito horas depois do pedido de transferência.

 

Domingos Napoli, gerente médico da Cross, falou como funciona a central de regulação de leitos e as dificuldades durante a pandemia.

 

"O trabalho de regulação é difícil. Quanto maior a complexidade do recurso, mais difícil é. Em determinados casos complexos, em uma situação extra como essa pandemia, o quadro vai se agravar mesmo. Leitos de UTI sempre foram mais difíceis porque são leitos específicos." – G1.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas