....
....

22/10/2020

Governadores reagem à decisão do presidente Bolsonaro de vetar a compra da vacina contra o coronavírus


Governadores rebateram, por meio das redes sociais, a decisão do presidente Jair Bolsonaro de cancelar o acordo firmado pelo Ministério da Saúde para a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, a vacina contra covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.

 

O acordo para a compra foi firmado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em reunião com os governadores nessa 3ª feira (20.out.2020). Bolsonaro, no entanto, vetou a medida nesta 4ª feira (21.out.2020).

 

O Poder360 apurou que Bolsonaro enviou mensagens a ministros com o seguinte teor: “Alerto que não compraremos vacina da China. Bem como meu governo não mantém diálogo com João Doria sobre covid-19“. O presidente e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), são desafetos políticos.



 

Apesar de o Ministério da Saúde anunciar a compra, por meio de nota (eis a íntegra – 84 KB), o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, afirmou que “não há intenção de compra de vacinas chinesas”, reiterando decisão do presidente Jair Bolsonaro de barrar a aquisição da CoronaVac.

 

No entanto, ofício (íntegra – 208 KB) encaminhado pela pasta ao Instituto Butantan na 2ª feira (19.out.2020) confirma a intenção do governo federal. O ministro Pazuello limitou a compra somente à aprovação da vacina pela Anvisa. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

 

Após a crise em torno da vacina, alguns dos governadores das 27 unidades da Federação se manifestaram sobre o caso nas redes sociais. Ainda não foi manifestada nenhuma medida do grupo que possa vir a ser adotada contra a decisão de Bolsonaro. Os gestores estaduais devem se reunir, por meio de videoconferência, na 6ª feira (23.out.2020).

 

No Congresso, no entanto, partidos se movimentam para irem à Justiça. O PC do B deve protocolar uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal). Alega que o presidente “descumpre direitos fundamentais previstos na Constituição quando faz declarações desautorizando o seu ministro da Saúde e afirmando que não vai permitir a compra de doses da vacina CoronaVac”.

 

Mais cedo, o PDT entrou com ação no Supremo pedindo a autonomia para os governos estaduais decidirem a obrigatoriedade da vacinação contra a covid-19.

 

Eis abaixo as manifestações do governadores:

 

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), comentou sobre a credibilidade do Instituto Butatan na produção de vacinas. Disse que o imunizante contra a covid-19 é o mais “seguro e avançado”. O tucano criticou a decisão de Bolsonaro, que, para ele, foi dada por questões “ideológicas”.

 

“Inaceitável tratar esse tema com ideologia. A hora é de paz, de união para salvar vidas. E não de eleição”, disse.

 

“Peço ao presidente Jair Bolsonaro que tenha grandeza. E lidere o Brasil para a saúde, a vida e a retomada de empregos. A nossa guerra não é eleitoral. É contra a pandemia. Não podemos ficar uns contra os outros. Vamos trabalhar unidos para vencer o vírus. E salvar os brasileiros”, declarou.

 

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), defendeu a adoção de critérios técnicos pelo governo federal para adoção de medidas relacionadas à vacina. “Não se pode jamais colocar posições ideológicas acima da preservação de vidas. Lutaremos para que uma vacina segura e eficaz chegue o mais rápido possível para todos os brasileiros”, disse.

 

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), afirmou que a prioridade hoje deve ser a aquisição de vacinas contra a covid-19 que estiverem à disposição primeiro. “Não há espaço para discussão sobre assuntos eleitorais ou ideológicos”, disse.

 

Para o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), a inclusão de uma vacina no Programa Nacional de Imunizações deve ser técnica, e não política.

 

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), disse que a medida é 1 “retrocesso”.

 

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), pediu respeito à história do Instituto Butantan. Em crítica à decisão do presidente, questionou: “Qual a autoridade de Bolsonaro para tentar desmoralizar uma instituição e seus cientistas?”.

 

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), criticou a decisão de Bolsonaro e  afirmou que “a influência de qualquer ideologia em temas fundamentais, como a saúde, só prejudica a população”.

 

“Defendemos que todas as vacinas consideradas seguras, avalizadas pelas autoridades, sejam disponibilizadas ao povo brasileiro. É preciso dar este passo na superação da covid-19”, disse.

 

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), defendeu a decisão do ministro Eduardo Pazuello pela compra das vacinas. “Estamos em guerra contra covid, q já matou mais de 150 mil no Brasil. O presidente não pode desmoralizá-lo e desautorizá-lo nesta luta.Minha total solidariedade ao ministro”, disse.

 

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), defendeu que “a saúde do povo deve vir em 1º lugar” – Poder 360.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas