....
....

14/12/2020

Primeira brasileira vacinada contra a Covid-19 trabalha como enfermeira em asilo católico no reino Unido


O Reino Unido começou na terça-feira, 8 dezembro, a vacinação contra Covid-19 e entre os primeiros a receberem a dose está uma enfermeira brasileira que trabalha com religiosas em um asilo católico e chegou a se mudar para a casa de repouso, para manter a saúde dos idosos.

 

Áurea de Souza, de 38 anos, é a responsável pelo Lar St. Augustine’s, em Londres (Inglaterra), das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus, que atende cerca de 50 idosos.



 

Por sua função, a brasileira está no primeiro grupo do cronograma do governo para receber a vacina contra Covid-19, o qual inclui funcionários e residentes de casas de repouso e asilos, pessoas com mais de 80 anos e funcionários da linha de frente do sistema de saúde pública.

 

Em entrevista à BBC News Brasil, Áurea admitiu que no começo ficou “um pouco apreensiva”, pensando “Como é que acharam uma solução tão rápida para um vírus tão novo?”. Entretanto, disse acreditar “que essa é a nova forma de viver, não vai ter para onde correr”.

 

“E, também, se é para os meus velhinhos terem oportunidade de ver a família... Porque é muito difícil para eles”, afirmou, ao expressar que sua primeira preocupação é o bem-estar dos idosos, e acrescentou: “Até agora, desde março, nenhum dos meus velhinhos pode dar um abraço na família”.

 

Pelo cuidado com os idosos do Lar St. Augustine’s, Áurea chegou a tomar uma decisão drástica em sua rotina. “Eu mudei para o asilo. Por três meses, fiquei morando aqui dentro”, contou.

 

Nesse período, buscou manter a proximidade com os residentes e animá-los. “Quando eu me mudei para o asilo, comecei a fazer festas, porque sou muito apaixonada pelo meu trabalho. Os meus velhos estavam tristes, então comecei a fazer carnaval, um monte de coisa para alegrar”, contou.

 

E, segundo Áurea, o que a mantém otimista assim é “a fé”. “Eu poderia ter largado tudo e ido para o Brasil, mas eu amo muito esse trabalho. Cheguei aqui muito nova, comecei (na Inglaterra) cuidando de velhinhos. Para mim é uma história, eu amo muito o que faço, não é por dinheiro”

 

Atualmente, a enfermeira não mora mais no asilo, mas admitiu que continua com o medo de contaminar os residentes. “É uma responsabilidade muito grande, às vezes vou para casa e não consigo nem dormir. A gente fica sempre pensando no covid-19. Todo dia a gente vem trabalhar com medo, porque não sabe o que vai acontecer”.

 

Entretanto, sublinhou que, diante dessa realidade, “a gente põe a fé e a mão no coração e vem trabalhar” – ACI Digital.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas