....
....

18/12/2020

Ministro da Saúde diz que rede privada só terá vacinas contra a Covid-19 depois que SUS for atendido


O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que as clínicas privadas poderão importar vacinas contra a covid-19 só depois que a demanda do SUS (Sistema Único de Saúde) for atendida.

 

“Sim [rede privada poderá comprar], autorizado por nós, a partir do momento em que a gente já tenha cumprido o que a gente precisa receber. Claro que precisa comprar também no privado, mas com prioridade para o SUS, com prioridade para o nosso programa nacional, que é para todos”, afirmou o ministro em sessão de debates no Senado Federal nesta 5ª feira (17.dez.2020).



 

Pazuello reafirmou que haverá um plano unificado de vacinação no país. Será um só plano para Estados e municípios, que receberão as vacinas simultaneamente. O volume que cada um receberá será proporcional ao tamanho da população nos grupos prioritários para a vacinação.

 

“É um plano só para um país só. Não haverá separação de Estado nem município, nem por classe de nada. Todos os brasileiros serão vacinados igualitariamente e todos os Estados receberão dentro da proporção dos grupos a vacina simultaneamente para que haja a vacinação grátis para todos os brasileiros”, declarou.

 

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou ao Poder360 na 2ª feira (14.dez) que, assim que um imunizante contra a covid-19 estivesse autorizado para o sistema público, ele poderia também ser aplicado por hospitais e clínicas particulares.

 

O presidente da ABCvac (Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas), Geraldo Barbosa, disse que foi informado de que a permissão seria simultânea para a rede particular e o setor público no fim da semana passada.

 

A pasta disse aos senadores que trabalha com 3 laboratórios de forma mais avançada, mas que não rejeitará nenhuma vacina que possa ser produzida no Brasil ou importada de outros países. São eles: AstraZeneca/Fiocruz, Sinovac/Butantan e Pfizer/BionTech.

 

“Nós estamos falando de 500 mil doses da Pfizer em janeiro, 9 milhões de doses do Butantan em janeiro, e 15 milhões de doses da AstraZeneca em janeiro. A data exata é o mês de janeiro!”

 

Em que dia de janeiro seria possível iniciar o plano de vacinação ainda depende, entretanto, do acompanhamento diário da evolução das vacinas e das liberações pela Anvisa.

 

“Vamos ter 24,7 milhões de doses em janeiro. Janeiro é daqui a 30 dias –o meio de janeiro, eu quero dizer. Quando eu falo de meio de janeiro, para ser um ponto de corte, é daqui a 30 dias. Não são 6 meses”, disse.

 

“Para fevereiro, repete-se a Pfizer, aumenta-se o Butantan para 22 milhões e mantém-se a AstraZeneca com 15,2 milhões. Vai para 37,7 milhões de doses. Em março, outras 31 milhões de doses; a partir daí, equilibra-se o número.”

 

O ministério, entretanto, segundo apurou o Poder360, não teria certeza sobre quais e quantas doses de vacinas o Brasil terá nos meses de janeiro e fevereiro de 2021. Considerando as doses já adquiridas em contrato, a data mais próxima estipulada pelo governo seria até o início do 2º semestre de 2021 (sem especificar o mês exato) – Poder 360.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas