....
....

28/02/2021

Jornalista que fez pergunta a Bolsonaro sobre Flávio é demitido da prefeitura de Rio Branco; Fenaj vê “censura e ato covarde”


O jornalista João Renato Jácome foi demitido nessa 6ª feira (26.fev.2021) do cargo de chefe de gabinete na Secretaria de Meio Ambiente de Rio Branco (AC).

 

Em coletiva de imprensa realizada na última 4ª feira (24.fev), ele questionou o presidente Jair Bolsonaro sobre uma decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) que favoreceu o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Logo depois da pergunta de Jácome, Bolsonaro encerrou a entrevista.



 

O jornalista realizava um trabalho freelancer, sem vínculo empregatício, para o jornal O Estado de S. Paulo. O prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom (PP), argumentou que o cargo de Jácome na prefeitura exigia regime de exclusividade.

 

A exoneração de Jácome foi publicada na edição dessa 6ª feira (26.fev) do Diário Oficial do Estado do Acre.

 

Bocalom disse ao Congresso em Foco que a demissão não foi pela pergunta feita a Bolsonaro.

 

“Eu o demiti porque ele estava em horário de serviço, trabalhando para o jornal Estado de S. Paulo. Como comissionado, ele não poderia fazer isso. Ele diz que estava de folga. Folga de quê? Não tem folga, não”, declarou.

 

Jácome negou que tivesse saído do trabalho na prefeitura sem permissão. “Eu fui para lá autorizado pelo secretário, porque diante do decreto do município que determina o rodízio dos servidores, eu havia trabalhado por mais de 10 dias sem pausa, em razão da enchente”, afirmou ao G1.

 

“Não acho que errei, estava trabalhando, não cometi crime. Fui exonerado porque estava trabalhando. Não fiz a coletiva acabar, já ia acabar, era a última pergunta e o presidente não quis responder.”

 

A Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) e o Sinjac (Sindicato dos Jornalistas do Acre) emitiram uma nota de repúdio classificando a demissão de Jácome como “censura e ato covarde“.

 

“Com esse violento ataque ao jornalismo, o prefeito Tião Bocalom afronta a liberdade de imprensa e o direito de acesso à informação garantidos pela Constituição. As direções da Fenaj e do Sinjac exigem a anulação do ato e a reintegração imediata do profissional aos quadros da Secretaria Municipal de Meio Ambiente”, diz da nota.

 

Eis a íntegra:

 

“A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Acre (Sinjac), por meio de seu representante, o presidente Victor Augusto Nogueira de Farias, vêm a público repudiar a atitude covarde e a prática de censura do prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, que deveria defender e garantir direitos conquistados pela sociedade.

 

A Fenaj e o Sinjac manifestam repúdio contra a demissão do jornalista João Renato Jácome de Andrade, publicada na edição do Diário Oficial do Acre desta sexta-feira (26), por ter exercido o dever de questionar fatos durante coletiva de imprensa do presidente Jair Bolsonaro.

 

Com este violento ataque ao jornalismo, o prefeito Tião Bocalom afronta a liberdade de imprensa e o direito de acesso à informação garantidos pela Constituição.

 

As direções da Fenaj e do Sinjac exigem a anulação do ato e a reintegração imediata do profissional aos quadros da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

 

Fenaj e Sinjac”

 

Com informações do site Poder 360

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas