....
....

11/03/2021

Incomodado: Discurso de Lula coloca Bolsonaro na defensiva e leva família do presidente a passar recibo


O discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva confrontando a política do presidente Jair Bolsonaro no enfrentamento da pandemia de coronavírus teve efeito imediato: o governo foi para defensiva.

 

Segundo aliados próximos de Bolsonaro, a volta de Lula ao jogo eleitoral e o forte discurso do petista nesta quarta-feira (10) causaram grande impacto no presidente e em familiares.

 

Toda a expectativa de Bolsonaro era polarizar a disputa com o PT. Mas a aposta era no ex-ministro Fernando Haddad. “Lula foi para o ataque e deixou a família atordoada”, explicou ao Blog um aliado próximo do presidente.



 

Um sinal claro de que a família presidencial passou recibo foi a mensagem do senador Flávio Bolsonaro nas redes sociais — replicada pelo ministro Fábio Faria (Comunicações) e por aliados bolsonaristas — logo depois do discurso de Lula.

 

O filho do presidente pediu aos seguidores que compartilhassem uma foto de Bolsonaro com a inscrição “Nossa arma é a vacina”.

 

O gesto foi visto como uma decisão política de polarizar o debate com Lula, que criticou no discurso a prioridade de Bolsonaro à liberação da compra de armas.

 

Outro gesto evidente foi do próprio Bolsonaro que, pouco depois do discurso de Lula, apareceu de máscara em solenidade no Palácio do Planalto — o que não é habitual — para sancionar a lei que facilita a compra de vacinas contra a Covid-19.

 

Como revelou levantamento do G1 no site de fotos da Presidência, a última vez em que Bolsonaro usou máscara em um evento oficial foi em 3 de fevereiro, na sessão solene de abertura do ano legislativo do Congresso. Desde então, houve 36 eventos oficiais em Brasília e outras cidades — entre os quais solenidades, audiências, encontros com embaixadores e formaturas — com a participação do presidente. Em todos, ele estava sem máscara, à exceção da cerimônia desta quarta.

 

O discurso de Bolsonaro na cerimônia no Planalto foi quase uma justificativa para as críticas de Lula.

 

O presidente tentou demostrar que empreendeu esforços para a compra de vacinas, sem explicar por que não fechou contrato ano passado com Pfizer para aquisição de 70 milhões de doses de vacina. Disse que a mãe já se vacinou, mas não explicou a resistência dele próprio em se vacinar.

 

Diante da cobrança pública de Lula, Bolsonaro foi obrigado a admitir mais uma vez a defesa de uso de medicamentos sem comprovação científica para o tratamento da Covid, como a hidroxicloroquina.

 

Ao defender o que chama de atendimento precoce, o presidente emendou e defendeu que médicos adotem o tratamento com remédios e disse que praticamente todos os servidores do Planalto que pegaram coronavírus usaram esses medicamentos sem precisar de internação hospitalar.

 

Mas não citou que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, internado com o quadro clínico agravado quando contraiu Covid – Gerson Camarotti / G1.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas