....
....

25/06/2021

Pesquisa IPEC: Lula tem 49% e venceria no 1º turno; Bolsonaro, 23%, Ciro, 7%, Doria, 5% e Mandetta, 3%


Pesquisa Ipec divulgada na madrugada desta sexta-feira (25) mostra que o ex-presidente Lula (PT) venceria a eleição para a presidência da República em 1º turno se a disputa fosse hoje. O petista tem 11 pontos percentuais a mais que a soma de seus possíveis adversários. Veja os números abaixo:

 

- Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 49%

- Jair Bolsonaro (sem partido): 23%

- Ciro Gomes (PDT): 7%

- João Doria (PSDB): 5%

- Luiz Henrique Mandetta (DEM): 3%

- Brancos / Nulos: 10%

- Não sabem / Não responderam: 3%.



Foto: Reprodução/Instagram/Lula

 

O levantamento do Ipec foi feito entre 17 e 21 de junho e ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios. A margem de erro é de 2 pontos para mais e para menos. O nível de confiança é de 95%.

 

O Ipec foi criado por ex-executivos do Ibope Inteligência após o seu encerramento. O novo instituto de pesquisa atua na área de consultoria e inteligência em pesquisas de mercado, opinião pública e política.

 

A pesquisa também perguntou em quais candidatos os entrevistados votariam com certeza ou poderia votar, não votaria de jeito nenhum e os quais não conhece com certeza ou não sabe. Veja os números

 

Lula

 

- Votaria com certeza ou poderia votar: 61% (era 50% em fevereiro)

- Não votaria nele de jeito nenhum: 36% (era 44%)

- Não conheço o o suficiente, não sei: 3% (era 6%)

 

Bolsonaro

 

- Votaria com certeza ou poderia votar: 33% (era 38% em fevereiro)

- Não votaria nele de jeito nenhum: 62% (era 56%)

- Não conheço o o suficiente, não sei: 4% (era 5%)

 

Ciro

 

- Votaria com certeza ou poderia votar: 29% (era 25% em fevereiro)

- Não votaria nele de jeito nenhum: 49% (era 53%)

- Não conheço o o suficiente, não sei: 21% (era 22%)

 

Doria

 

- Votaria com certeza ou poderia votar: 18% (era 15% em fevereiro)

- Não votaria nele de jeito nenhum: 56% (era 57%)

- Não conheço o o suficiente, não sei: 26% (era 28%)

 

Mandetta

 

- Votaria com certeza ou poderia votar: 13% (era 14% em fevereiro)

- Não votaria nele de jeito nenhum: 47% (era 45%)

- Não conheço o o suficiente, não sei: 39% (era 40%)

 

Avaliação do governo Bolsonaro

 

O Ipec divulgou anteriormente, na quinta-feira (24), a avaliação do governo Bolsonaro e apontou os seguintes percentuais:

 

- Ótimo/bom: 24% (era 28% em fevereiro)

- Regular: 26% (era 31%)

- Ruim/péssimo: 49% (era 39%)

- Não sabe/não respondeu: 1% (era 2%)

 

A pergunta feita pelo instituto foi “Na sua avaliação, o governo do presidente Jair Bolsonaro está sendo”, com as opções “Ótimo”, “bom”, “regular”, “ruim” ou “péssimo”.

 

Somados, os itens “ótimo” e “bom” correspondem ao percentual de aprovação da administração; e os itens “ruim” e péssimo”, ao de reprovação.

 

Forma de governar

 

Um dos aspectos pesquisados diz respeito à aprovação da maneira de governar do presidente. Nesse caso, a pergunta feita foi: "E o(a) senhor(a) aprova ou desaprova a maneira como o presidente Jair Bolsonaro está governando o Brasil?" Sobre este quesito, os resultados foram:

 

- Aprova: 30% (era 38% em fevereiro)

- Desaprova: 66% (era 58% em fevereiro)

- Não sabe ou não respondeu: 4% (era 5% em fevereiro)

 

Confiança no presidente

 

A pesquisa também fez a pergunta: "E o(a) senhor(a) confia ou não confia no presidente Jair Bolsonaro?" Os percentuais foram:

 

- Confia: 30% (era 36% em fevereiro)

- Não confia: 68% (era 61%)

- Não sabe/não respondeu: 2% (era 3%)

 

Com informações do G1.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas