....
....

02/09/2021

CPI manda polícia buscar suposto lobista da precisa que não compareceu a depoimento e aciona STF


A CPI da Covid pediu na madrugada desta quinta-feira (2) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a condução coercitiva do advogado Marconny Albernaz Ribeiro, suposto lobista da Precisa Medicamentos, empresa que intermediou as negociações do governo para compra da vacina Covaxin.

 

Marconny deveria prestar depoimento nesta quinta, mas não compareceu. O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), informou que os advogados do lobista disseram que não conseguiram localizá-lo. Além disso, Marconny apresentou um atestado médico.



Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

 

"Que seja decretada, se necessário, a condução coercitiva do paciente ao Senado Federal, com requisição de força policial e de todos os meios mínimos necessários", diz documento enviado ao Supremo, endereçado à ministra Cármen Lúcia.

 

Durante a sessão da CPI, o vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), defendeu que seja decretada a prisão preventiva do suposto lobista.

 

Paralelamente ao pedido ao STF, Aziz determinou que a Polícia Legislativa conduza "sob vara" o lobista à comissão. Segundo o presidente da CPI, há informações de que Marconny quer sair do país.

 

'Cinismo'

 

Durante a sessão, o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), disse que a CPI está na fase do "cinismo" dos depoentes.

 

"Eles, não tendo mais o que dizer -- e diante do acervo, do volume de informações que esta comissão parlamentar de inquérito dispõe --, estão preferindo sumir, correr, se esconder, se internar em hospital. Nós vamos continuar esclarecendo tudo. Esse senhor Marconny era operador da Precisa, e as investigações demostram que não apenas da Precisa", disse Renan.

 

Randolfe, então, complementou a fala de Renan e chamou Marconny de "o senhor de todos os lobbies".

 

O depoimento

 

A CPI quer questionar Marconny sobre a suposta atuação na negociação do contrato bilionário do Ministério da Saúde com a Precisa para aquisição da vacina Covaxin. O negócio acabou cancelado por suspeita de irregularidades.

 

Os senadores também querem ouvir de Marconny respostas sobre a participação dele na venda de testes contra a Covid-19 ao poder público.

 

Apurações conduzidas pelo Ministério Público Federal, compartilhadas com a CPI, apontam que Marconny teria encaminhado mensagens com explicações sobre processo supostamente irregular para aquisição de testes – G1.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas