....
....

04/06/2022

Governo terá que explicar porque determinou sigilo de 100 anos no caso de envolvimento de pastores na liberação de verbas


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça decidiu levar ao plenário da Corte a ação que questiona o sigilo de 100 anos a respeito de informações relacionadas a reuniões e visitas de pastores na Presidência da República. Magistrado ainda fixou um prazo de 10 dias para o Palácio do Planalto prestar explicações sobre o caso.

 

Segundo o ministro, “diante do contexto normativo relativo à presente ação, considero de todo conveniente que a análise judicial da controvérsia venha a ser tomada em caráter definitivo”, escreveu.



Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

A ação atende a um pedido protocolado pelo PSB. A legenda sustenta que o sigilo fere o direito da transparência. “Burla o mandamento constitucional da publicidade dos atos da administração pública", diz a sigla. O partido ainda solicita a declaração de inconstitucionalidade em casos similares e a cassação de qualquer sigilo sem conformidade com a Constituição.

 

De acordo com a decisão de Mendonça, a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da União (PGR) ainda terão um prazo de cinco dias, após o Planalto, para enviar manifestações sobre o caso.

 

Entenda o caso

 

O Planalto decretou sigilo de 100 anos sobre as reuniões entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, suspeitos de comandar um gabinete paralelo no Ministério da Educação. Segundas denúncias, o suposto esquema intermediava recursos do setor em troca de propina, ouro e até com a compra de Bíblias.

 

O nome dos religiosos também esteve envolvido em outra polêmica. Em áudios divulgados pela imprensa, o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro afirmou priorizar pastores aliados na liberação de recursos do Fundo Nacional da Educação (FNDE).

 

Na gravação, ele ainda cita que o favorecimento é um pedido expresso de Bolsonaro. "Minha prioridade é atender primeiro os municípios que mais precisam e, segundo, atender a todos os que são amigos do pastor Gilmar."

 

O escândalo levou à demissão de Ribeiro, que já prestou depoimento e negou ter atuado para favorecer pastores na concessão de verbas públicas – EM.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-
Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas