....
....

09/04/2019

FMI reduz previsão para o PIB do Brasil este ano. Nova projeção aponta crescimento de 2,1%


O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu em 0,4 ponto percentual sua previsão para o crescimento da economia brasileira em 2019. No relatório "World Economic Outlook", divulgado nesta terça-feira (9), o órgão passou a estimar uma expansão de 2,1% para o país este ano.

 

Em janeiro, o FMI previa que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceria 2,5% este ano – uma ligeira melhora em relação à projeção feita outubro do ano passado, que era de uma expansão de 2,4% na economia em 2019.



 

No estudo, o Fundo cita o Brasil entre os exemplos de nações latino-americanas que estão em um ciclo de recuperação, após sair de um crescimento de 1,1% em 2018. A última estimativa do FMI para o crescimento brasileiro em 2018 era de 1,3%.

 

As projeções do órgão para o PIB brasileiro em 2020, no entanto, vão no caminho contrário, como mostra o gráfico abaixo: o FMI estima que a economia do Brasil vai avançar 2,5% – uma melhora de 0,3 ponto percentual em relação à projeção feita em janeiro, mas uma queda de 0,1 em relação à projeção feita em outubro.

 

Cenário fiscal

 

O relatório destaca que os spreads (diferença entre o que se gasta e recebe em juros) caíram desde outubro no Brasil, em meio ao otimismo com a reforma da Previdência no novo governo. No entanto, o estudo aponta que, particularmente no país, desequilíbrios fiscais pesaram na projeção.

 

“No Brasil, a principal prioridade é conter o aumento da dívida pública enquanto mantém intactos os gastos sociais. O teto de gastos introduzido em 2016, que incrementa o resultado primário em 0,5 ponto percentual por ano, é um passo na direção certa para facilitar a consolidação fiscal”, pontua o FMI.

 

O estudo aponta que mais ajustes são necessários no Brasil, particularmente cortes na folha de pagamentos e reforma da Previdência para frear gastos crescentes – enquanto é preciso proteger programas sociais essenciais aos mais vulneráveis, diz o Fundo.

“Com a inflação ainda perto da meta, a política monetária pode ficar acomodativa para suportar a demanda", diz o órgão. "A recente reforma trabalhista e subsídios ao crédito são esforços para melhorar a infraestrutura e a eficiência da intermediação financeira", acrescenta o FMI, e "pode ajudar a aumentar a produtividade e elevar as perspectivas de crescimento no médio prazo” – G1.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas