....
....

01/05/2019

Mãe que concedeu entrevista chorando a morte da filha de 1 ano confessa ter matado a criança por “explosão de raiva”


A Polícia Civil concluiu o inquérito e indiciou Jaqueline Vieira, de 21 anos, pela morte da filha, Emanuelly de apenas 1 ano, em Santa Rita do Araguaia, região sudoeste de Goiás. Segundo a corporação, ela confessou o crime e responderá por homicídio qualificado, com aumento de pena por ter sido praticado contra descendente, porém, em liberdade. A jovem chegou a dar uma entrevista na qual chorou pela morte da criança.

 

O caso sofreu uma reviravolta durante as investigações, pois o padrasto da menina, Gabriel Felizardo Silva, chegou admitir, em um vídeo, ter praticado o assassinato. Porém, durante a apuração, ele admitiu ter assumido a culpa acreditando que a mulher estava grávida e não queria que ela fosse detida nessa condição.



 

O G1 não conseguiu localizar a defesa de Jaqueline.

 

Emanuelly foi morta no dia 19 de abril. Após ser agredida, ela foi levada para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos. O casal alegou que ela havia caído da cama. Porém, os médicos desconfiaram e chamaram a polícia.

 

Em depoimento, Gabriel confessou ter cometido o crime. Disse que bateu "com a mão fechada" na enteada porque ela estava chorando e não conseguia dormir. Ele também isentou a mulher. Logo em seguida, ele foi preso.

 

A versão, porém, não convenceu a polícia, que seguiu investigando. Em depoimento prestado na última segunda-feira (29), Jaqueline confessou o crime.

 

“Após nós mostrarmos a ela todos os elementos que a investigação já tinha levantado, no sentido de que ela teria sido a autora das agressões, ela então, foi, aos poucos, confessando e dando detalhes de toda dinâmica, de todas as circunstâncias desse fato”, disse o delegado Marcos Guerini, responsável pelo caso.

 

“Ela será indiciada por homicídio qualificado, em razão da impossibilidade de defesa da vítima, com aumento de pena em razão de que o crime foi praticado contra descendente”, completou.

 

Sobre a motivação, Guerini informou que a mulher disse que não era nada contra a filha. “O motivo, alegado por ela, acabou sendo um motivo íntimo, não de raiva conta a própria criança, foi mais uma explosão de raiva dela mesmo. A criança acabou estando no lugar errado na hora errada.

 

O advogado de Gabriel, Nelson Oliveira Batista, disse que orientou o cliente a dizer a verdade. “Perguntei a ele: ‘Você quer insistir com essa situação?’ Ele disse que não sabia que a criança viria a falecer, eu não quero assumir essa situação por ela. Acho que ela deve pagar pelo que ela fez”, pondera.

 

No entanto, mesmo assim, ele responderá criminalmente por ter se acusado falsamente – G1.

 

Carlos Magno

 

VEJA TAMBÉM:

Cheirar pum pode prevenir câncer, AVC, ataque cardíaco, artrite e demência, diz estudo de universidade do Reino Unido

- Assassinato de moradores de rua em Campina Grande-PB gera comoção: radialista faz artigo em homenagem a "Maria Suvacão"

- UEPB vai ganhar curso de Medicina no campus de Campina Grande. Veja detalhes

-Cliente que passar mais de 20 minutos em fila de banco na Paraíba receberá indenização

- Jovem forja a própria morte para saber "quais pessoas se importariam com sua ausência" e vem a público pedir desculpas